top of page

Lewis Hamilton posta foto de protesto contra morte em Porto Alegre:"Outra vida negra perdida"

Heptacampeão presta homenagem a João Alberto Silveira Freitas, homem negro que foi espancado e morto por dois homens brancos em supermercado


Foto: Dan Istitene / Getty Images


O piloto britânico Lewis Hamilton não ficou calado diante da morte bárbara de mais um negro. O heptacampeão da Fórmula 1 fez uma postagem nas redes sociais prestando condolências à família de João Alberto Silveira Freitas e pedindo luta para que esse tipo de crime não aconteça novamente. Beto, de 40 anos, foi agredido e morto por dois homens brancos, incluindo um PM, dentro de um supermercado da rede Carrefour, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

- Devastado ao ouvir essa notícia, outra vida negra perdida mais uma vez. Ainda está acontecendo e temos que lutar para impedir que isso continue. Mandando todos os meus sentimentos e preces para você, Brasil. Descanse em paz, João Alberto Silveira Freitas - escreveu Lewis Hamilton.



Lewis Hamilton — Foto: Redes socias/Instagram


Beto foi enterrado sob um clima de forte comoção neste sábado - a perícia aponta asfixia como provável causa da morte. Os agressores Magno Braz Borges e Giovane Gaspar da Silva foram presos em flagrante. Em nota, o supermercado Carrefour chamou o ato de criminoso e anunciou o rompimento do contrato com a empresa que "responde pelos seguranças que cometeram a agressão".



Lewis Hamilton com a camisa de protesto que ele exibiu no GP da Toscana e foi criticada por Vitaly Petrov — Foto: Dan Istitene/F1 via Getty Images


Uma voz na luta antirracista


A postagem deste sábado não foi um ato isolado. Após o assassinato de George Floyd, homem negro sufocado pelo joelho de um policial branco em Minneapolis, Lewis Hamilton faz questão de se manifestar publicamente e pedir o fim da violência deliberada contra negros.

Engajado nos protestos antirracistas, ele ergueu o punho cerrado em várias etapas da temporada. O piloto repete o gesto dos medalhistas olímpicos Tommie Smith e John Carlos, que eternizaram o sinal dos "Panteras Negras" nos Jogos Olímpicos do México de 1968.

Em setembro, no GP da Toscana, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) reagiu mal a um dos protestos do piloto e vetou o uso de camisetas no pódio da F1. Hamilton vestiu uma camiseta pedindo "prendam os policiais que mataram Breonna Taylor", jovem americana também assassinada por policiais.


Fonte: globoesporte


0 visualização0 comentário

Comments


bottom of page